Clozapina – Informações para pacientes e familiares

Quais são as indicações para seu uso?
O uso primário desta medicação é para o tratamento de sintomas agudos e crônicos da Esquizofrenia. Geralmente é usada para pacientes que não tiveram uma resposta adequada às outras medicações antipsicóticas. Aproximadamente 30 a 40% dos pacientes que não respondem aos antipsicóticos típicos podem responder à clozapina.
A Clozapina tem sido efetiva também em outros transtornos psicóticos, incluindo psicose em Doença de Parkinson, Transtorno Bipolar e Transtornos Cerebrais Orgânicos. Embora não aprovada para este fim, tem sido usada no tratamento de comportamento impulsivo e agressivo.
A Clozapina não deve ser usada por pessoas que tenham número muito baixo de glóbulos brancos ou que tenham tido, alguma vez, doença que comprometa a formação das células sanguíneas. Também é contra-indicada em casos de doenças graves do fígado, rins ou coração ou de epilepsia de difícil controle.

Quais sintomas este medicamento pode ajudar a controlar?
Sintomas psicóticos diferem entre os indivíduos, tanto em relação ao tipo dos sintomas quanto à sua severidade. Alguns sintomas comuns os quais a Clozapina tem ajudado a controlar são:
– Alucinações (Percepções falsas dos órgãos dos sentidos. O paciente ouve vozes que falam sobre ele, ou que acompanham suas atividades com comentários. Muitas vezes essas vozes dão ordens de como agir em determinada circunstância. Outras formas de alucinação, como visuais, táteis ou olfativas podem também ocorrer na Esquizofrenia).
– Pensamentos fixos, frequentemente de natureza paranóide (isto é, sensação de estar sendo perseguido ou de que pessoas estejam falando de você).
– Pensamentos desorganizados (dificuldade em focar um pensamento ou pensamentos acelerados).
– Irritabilidade, agitação, hiperexcitação, humor eufórico.
– A Clozapina também pode ajudar em sintomas de isolamento social, pouca motivação, diminuição no interesse em si mesmo e nos outros.

Em quanto tempo a Clozapina começa a fazer efeito?
A Clozapina começa a aliviar a agitação dentro de alguns dias, ajuda a controlar mudanças de humor em algumas semanas e a controlar alterações no pensamento em 6 a 8 semanas. Embora a maioria dos pacientes cujos sintomas responderam à clozapina demonstrem melhora clínica máxima durante as primeiras 6 a 12 semanas de tratamento, os benefícios clínicos podem continuar a se desenvolver após 6 meses a 1 ano de tratamento.
Os antipsicóticos precisam de tempo para começarem a fazer efeito, portanto, não alterem a dose ou deixem de tomar a medicação sem antes discutir sobre isso com o seu psiquiatra. Além disto, a dose da Clozapina costuma ser aumentada progressivamente (+/- 12,5 a 25mg a cada dia que passa).

Por quanto tempo deve-se tomar esta medicação?
Para indivíduos que têm um transtorno psicótico por vários anos ou repetidos episódios psicóticos, é possível que a Clozapina (assim como os antipsicóticos em geral) deva ser mantida por tempo indeterminado.
O psiquiatra pode ajustar a dose de tempo em tempo, baseado na resposta ao tratamento e/ou nos níveis séricos da Clozapina.
Não pare de tomar a medicação se você estiver se sentindo melhor sem antes disuctir sobre isso com o seu psiquiatra.

Porque os exames de sangue são necessários?
Um raro efeito colateral (afeta menos de 1% dos pacientes) foi relacionado com o usa da Clozapina. Este é chamado de agranulocitose, ou seja, as células brancas do sangue diminuem em quantidade o que faz com que o corpo encontre dificuldades em lutar contra alguma infecção. No entanto, se identificada precocemente, a agranulocitose pode ser revertida interrompendo-se o tratamento com a Clozapina. Por isso são necessários controles regulares dos níveis de células brancas no sangue através de hemogramas periódicos para identificar aqueles indivíduos que podem estar sob risco de desenvolverem agranulocitose.
Nas primeiras 18 semanas em uso de Clozapina há um risco maior de se desenvolver agranulocitose, por esse motivo os hemogramas devem ser semanais. Depois disto o risco diminui (estatisticamente falando) e os hemogramas podem ser mensais.

Quais os efeitos colaterais que podem ocorrer?
Efeitos colaterais ocorrem, em algum grau, com todas as medicações psicotrópicas (assim como outros medicamentos clínicos). Eles geralmente não são graves e não ocorrem com todos os indivíduos. A maioria dos efeitos colaterais ocorre nos primeiros dias de tratamento e diminui ou desaparecem com o tempo. Se um efeito colateral persiste, fale com seu psiquiatra sobre o tratamento apropriado.
Efeitos colaterais comuns que devem ser relatados ao seu psiquiatra incluem:

– Sonolência e fadiga: Este problema pode desaparece com o tempo. O uso concomitante de outras drogas que fazem você se sentir sonolento pioram o problema. Evite dirigir um carro ou operar máquinas se a sonolência persistir.
– Tontura: Levante-se da posição deitada ou sentada vagarosamente. Apóie as pernas sobre a beira da cama por alguns minutos antes de se levantar. Deite-se ou sente-se se a tontura persistir ou se sentir fraco.
– Boca seca: Bala de sabor amargo, cubo de gelo, picolé e chiclete sem açúcar podem ajudar no aumento da salivação. Evite os que contenham açúcar para não ter cáries e para não aumentar de peso. Beba água e escove seus dentes regularmente.
– Salivação excessiva: Ocorre frequentemente à noite. Se mais intensa, use uma toalha no travesseiro quando estiver dormindo. Se ocorrer também enquanto estiver acordado ou estiver lhe causando transtornos, converse com seu psiquiatra sobre outras medicações que podem ajudar a aliviar esse efeito colateral.
– Ganho de peso: Anote o quanto e o que você come. Você pode perceber um aumento de apetite principalmente por carboidratos ( por exemplo, doces, batata, arroz, macarrão). Tente evitá-los assim como alimentos com alto teor de gordura.
– Náusea ou “queimação”: Se acontecer, tome a medicação com alimento.
– Discinesia Tardia é um efeito adverso que acomete alguns pacientes que têm sido tratados com antipsicóticos, geralmente por vários anos. O risco desse efeito adverso com Clozapina é considerado muito baixo e, além disso, a Clozapina pode ajudar a tratar esse problema. Discinesia Tardia se manifesta através de movimentos involuntários de certos músculos – geralmente aqueles que envolvem lábios e língua, e algumas vezes mãos, pescoço e outras partes do corpo.

Sinais e sintomas que você deve informar ao seu psiquiatra imediatamente:
– Dor de garganta, boca ou gengiva.
– Fadiga, fraqueza, febre ou sintomas gripais ou outros sinais de infecção.
– Palpitações, dor no peito e “respiração ofegante”.
– Períodos de desmaio ou convulsões.
– Manchas na pele ou coceira.
– Dor de cabeça incomum.
– Tontura ou desmaio persistente ou severa.
– Aumento na sede e/ou na freqüência urinária ou perda do controle da micção.
– Coloração amarelada nos olhos ou na pele; urina de cor escura.
– Intestino preso, por mais de 2 ou 3 dias.
– Piora de comportamento repetitivo ou sintomas obsessivos.
– Suspeita de gravidez

O que faço se eu esquecer de tomar a medicação?
Se você toma a dose total da sua medicação na hora de dormir (em geral quando são doses menores de 300mg/dia) e se esqueceu de tomá-la, não tome a medicação pela manhã, mas continue a tomá-la à noite, como antes. Se você toma a medicação várias vezes ao dia, tome a dose esquecida assim que se lembrar, depois continue seu esquema regular. Se deixar de tomá-la por mais de 2 dias, entre em contato com seu psiquiatra para que ele possa orientá-lo. Lembre-se que o uso irregular da medicação não só diminui sua eficácia como aumenta o aparecimento de efeitos colaterais.

Posso tomá-la com outras medicações?
A Clozapina pode interferir no efeito de outras medicações ou pode ser alterada por outros remédios, como “calmantes”, outros medicamentos que podem produzir a agranulositose (como a carbamazepina, p.ex.) ou mesmo aqueles adquiridos sem prescrição médica como remédios para gripe ou “naturais”. Por isso, sempre confira com seu psiquiatra antes de tomar outras medicações,

Demais precauções:
– Não aumente ou diminua a dose sem consultar seu psiquiatra.
– Tome sua medicação com as refeições ou com água, leite ou suco de laranja; evite suco de uva porque ele pode interferir no efeito da Clozapina.
– A Clozapina pode prejudicar habilidades físicas e mentais exigidas para dirigir um carro ou operar máquinas. Evite essas atividades se você se sentir sonolento.
– A Clozapina pode aumentar os efeitos do álcool fazendo você se sentir mais sonolento, tonto ou atordoado (não utilize bebidas de álcool).
– Evite se expor a calor e humidade extrema (por exemplo, sauna). A Clozapina pode interferir na capacidade de regular mudanças de temperatura.
– Antiácidos interferem na absorção gástrica da Clozapina e, por isso, podem diminuir seu efeito. Para evitar essa interferência, tome o antiácido pelo menos 2 horas antes ou 1 hora após ter tomado seu antipsicótico.
– O uso excessivo de bebidas cafeinadas (café, chá, refrigerante tipo cola, etc) podem causar ansiedade, agitação e inquietação e podem interferir no nível sanguíneo de sua medicação.
– O fumo pode alterar o nível sanguíneo do antipsicótico. Informe seu psiquiatra se você fizer quaisquer mudanças no seu padrão de fumo.
– Não pare de tomar seu remédio abruptamente, isso pode resultar em sintomas como náusea, tontura, sudorese, dor de cabeça, problemas no sono, agitação e tremor e também resultar no retorno de sintomas psicóticos.
– Guarde sua medicação em um lugar limpo, seco e em temperatura ambiente. Deixe-a longe do alcance das crianças.

Se você tiver quaisquer dúvidas sobre sua medicação, não hesite em perguntar a seu psiquiatra!

Bibliografia:
1. Leon, J., Diaz, F.J., 2003. Serious respiratory infections can increase clozapine levels and contribuye to side effects: a case report. Prog Neuropsychopharmacol Biol Psychiatry. 27(6):1059-63
2. Tham, J.C., Dickson, R.A., 2002. Clozapine-induced fevers and 1-year clozapine discontinuation rate. J Clin Psychiatry. Oct;63(10):880-4
3. Yong, C.R., Bowers, M.B.Jr., Mazure, C.M., 1998. Management of the adverse effects of clozapine. Schizophr Bull. 24(3):381-90
4. Haack, M.J., Bak, M.L., Beurskens, R., Maes, M., Stolk, L.M., Delespaul, P.A., 2003. Toxic rise of clozapine plasma concentrations in relation to inflammation. Eur Neuropsychopharmacol. Oct;13(5):381-5
5. van der Molen-Eijgenraam, M., Blanden-Meijs, J.T., Heeringa, M., van Grootheest, A.C., 2001. Delirium due to increase in clozapine level during an inflammatory reaction. Ned Tijdschr Geneeskd. Mar 3;145(9):427-30
6. Meyer, J.M., 2001. Individual changes in clozapine levels after smoking cessation: results and a predictive model. J Clin Psychopharmacol. Dec;21(6):569-74
7. Eberhard-Gran, M., Eskild, A., Opjordsmoen, S., 2006. Use of psychotropic medications in treating mood disorders during lactation: practical recommendations. CNS Drugs. 20(3):187-98
8. Nguyen, H.N., Lalonde, P., 2003. Clozapine and pregnancy. Encephale. Mar-Apr;29(2):119-24
9. Iqbal, M.M., Rahman, A., Husain, Z., Mahmud, S.Z., Ryan, W.G., Feldman, J.M., 2003. Clozapine: a clinical review of adverse effects and management. Ann Clin Psychiatry. Mar;15(1):33-48
10. Cordioli, Aristides Volpato. Psicofármacos: consulta rápida. – 3.ed. – Porto Alegre: Artmed, 2005.
11. Bezchilibnyk-Butler, Kalyna Z., Jeffries, J.Joel. Psychotropic drugs-Handbooks, manuals. – 13th ver.ed, 2003.
12. Cozza, K.L., Armstrong, S.C., Oesterheld, J.R. Guia Conciso dos princípios das interações medicamentosas na prática clínica. – 2.ed, 2003.
13. Diretrizes para o tratamento de transtornos psiquiátricos/American Psychiatric Association; trad. Claudia Dornelles, Cristina Monteiro e Irineo Ortiz. – Porto Alegre: Artmed, 2005.
14. Rosenbaum, J.F., Arana, G.W., Hyman, S.E., Labbate, L.A., Fava,M. Handbook of psychiatry drug therapy. – 5.ed, 2005.
15. Stahl, S.M. Psicofarmacologia-Base Neurocientífica e Aplicações Práticas. – 2.e.d – MEDSI Editora Médica e Científica Ltda, 2002.
16. McEvoy, J.P; Lieberman, J.A; Stroup, T.S; Davis, S.M; Meltzer, H.Y; Rosenheck, R.A; Swartz, M.S; Perkins, D.O; Keefe, R.S.E; Davis, C.E; Severe, J; Hsiao, J.K; 2006. Effectiveness of Clozapine versus Olanzapine, Quetiapine, and Risperidone in patients with chronic Schizophrenia who did not respond to prior atypical antipsychotic treatment. Am J Psychiatry. 163:600-610